Escolha uma Página

Nossos Destaques

Setembro / 2022

Primeira mulher a se formar na Escola de Engenharia faz uma visita e nos conta sua história!

Há 61 anos, formava-se na Escola a primeira engenheira de nossa história! Telma Portugal conquistou o primeiro lugar no vestibular de Engenharia em 1958 e foi a única mulher em uma turma de 23 alunos. Apesar da discriminação de alguns colegas, Telma resistiu e trilhou uma trajetória de sucesso – foi monitora de cálculo e, ainda, oradora da turma na formatura! Ontem, no dia 13 de setembro, o nosso Diretor, professor José Rodrigues, ao lado da professora e coordenadora do curso de Engenharia Civil, Andreia Abreu, e do professor James Hall, receberam a Telma para um bate-papo muito animado e, ao mesmo tempo, emocionante! A convite da professora Andreia, a ex-aluna visitou uma de suas turmas e vibrou ao ver tantas jovens mulheres ocupando a maior parte das carteiras: “Agora são muitas meninas!”, disse emocionada. A persistência e a determinação de Telma foram essenciais para a conquista do espaço feminino na Escola de Engenharia e no cenário profissional! Sem dúvidas, uma mulher inspiradora para todos nós!

Maio / 2022

Curso Pré-Vestibular Social da Praia Vermelha retorna às atividades após 2 anos.

O Curso Pré-Vestibular Social da Praia Vermelha está de volta e nossa equipe foi conversar com o Coordenador do projeto Professor Cláudio Carvalho para saber maiores informações.

1. Quando e como surgiu a ideia do Pré-Vestibular Social da Praia Vermelha?
Professor Cláudio Carvalho: Bom, o Pré-Vestibular existe desde 1999, tendo mais de 20 anos na UFF, na Escola de Engenharia. Inicialmente, foi criado e coordenado pelo Professor Plácido Barbosa, que hoje está aposentado. No ano de 2020, ele me procurou para poder substituí-lo, pois aposentado, ele não teria mais direito em assumir o curso. No ano de 2021, nós não abrimos o curso, devido a pandemia, e só estamos conseguindo retornar agora, no ano de 2022.

2. De que modo os estudantes podem estar participando do Pré-Vestibular?
Professor Cláudio Carvalho: Todo início de ano são abertas as inscrições, em torno de março ou abril. As inscrições são divulgadas através das redes sociais, e os estudantes concorrem a uma vaga. Essas vagas são preenchidas conforme a ordem de inscrição. Por exemplo, nesse ano de 2022, nós tivemos 150 vagas ofertadas, e em menos de uma semana, nós já tínhamos mais de 250 inscrições, ocasionando no encerramento das mesmas e finalizando com o cadastro reserva. A PROEX também divulga todas as informações relacionadas ao Pré-Vestibular, os endereços eletrônicos, etc. O curso é totalmente gratuito, pelo menos durante esse período (o que será avaliado em anos posteriores).

3. Na segunda-feira (30), o projeto teve a sua aula inaugural. Pode relatar como foi a experiência?
Professor Cláudio Carvalho: A experiência foi ótima! Tivemos mais de 140 pessoas em nosso auditório, no Prédio D da Escola de Engenharia. Tivemos a presença do Diretor José Rodrigues, nossa Chefe de Departamento Renata Faísca e eu também estava presente, bem como todos os professores que irão atuar no Pré-Vestibular Social. Alguns ex-alunos do curso que hoje estão inseridos na Universidade também marcaram presença, o que foi bastante bacana e emocionante, com a presença de todos.

4. De que forma, enquanto docente e coordenador do Pré-Vestibular Social, resumiria a importância de um projeto como esse ?
Professor Cláudio Carvalho: A importância é, principalmente, de acordo com nossos três pilares dentro da Universidade (ensino, pesquisa e extensão), estarmos colaborando com a comunidade, especificamente nessa área de extensão. É sobre a importância da universidade pública de estar colaborando com a comunidade, seja para uma empresa para estar atuando em algum tipo de obra, ou até mesmo como estamos fazendo, colaborando com a parte do ensino, dando a oportunidade para pessoas em uma certa vulnerabilidade e que não podem pagar um curso pré-vestibular, de estarem forçando o estudo de seus colégios correspondentes. Para nós é algo fundamental, uma honra e um prazer imenso em poder passar um pouco de conhecimento para essas pessoas. É extremamente motivante ver esses meninos ali com essa força, essa vontade de estudar, e nós podermos colaborar e participar um pouquinho da vida deles. É sem igual.

Reportagem da aluna de Jornalismo Gabriella Gomes Marinho – publicada em 13 de junho de 2022.

Curso Pré-Vestibular Social da Praia Vermelha retorna às atividades após 2 anos.

O Curso Pré-Vestibular Social da Praia Vermelha está de volta e nossa equipe foi conversar com o Coordenador do projeto Professor Cláudio Carvalho para saber maiores informações.

1. Quando e como surgiu a ideia do Pré-Vestibular Social da Praia Vermelha?
Professor Cláudio Carvalho: Bom, o Pré-Vestibular existe desde 1999, tendo mais de 20 anos na UFF, na Escola de Engenharia. Inicialmente, foi criado e coordenado pelo Professor Plácido Barbosa, que hoje está aposentado. No ano de 2020, ele me procurou para poder substituí-lo, pois aposentado, ele não teria mais direito em assumir o curso. No ano de 2021, nós não abrimos o curso, devido a pandemia, e só estamos conseguindo retornar agora, no ano de 2022.

2. De que modo os estudantes podem estar participando do Pré-Vestibular?
Professor Cláudio Carvalho: Todo início de ano são abertas as inscrições, em torno de março ou abril. As inscrições são divulgadas através das redes sociais, e os estudantes concorrem a uma vaga. Essas vagas são preenchidas conforme a ordem de inscrição. Por exemplo, nesse ano de 2022, nós tivemos 150 vagas ofertadas, e em menos de uma semana, nós já tínhamos mais de 250 inscrições, ocasionando no encerramento das mesmas e finalizando com o cadastro reserva. A PROEX também divulga todas as informações relacionadas ao Pré-Vestibular, os endereços eletrônicos, etc. O curso é totalmente gratuito, pelo menos durante esse período (o que será avaliado em anos posteriores).

3. Na segunda-feira (30), o projeto teve a sua aula inaugural. Pode relatar como foi a experiência?
Professor Cláudio Carvalho: A experiência foi ótima! Tivemos mais de 140 pessoas em nosso auditório, no Prédio D da Escola de Engenharia. Tivemos a presença do Diretor José Rodrigues, nossa Chefe de Departamento Renata Faísca e eu também estava presente, bem como todos os professores que irão atuar no Pré-Vestibular Social. Alguns ex-alunos do curso que hoje estão inseridos na Universidade também marcaram presença, o que foi bastante bacana e emocionante, com a presença de todos.

4. De que forma, enquanto docente e coordenador do Pré-Vestibular Social, resumiria a importância de um projeto como esse ?
Professor Cláudio Carvalho: A importância é, principalmente, de acordo com nossos três pilares dentro da Universidade (ensino, pesquisa e extensão), estarmos colaborando com a comunidade, especificamente nessa área de extensão. É sobre a importância da universidade pública de estar colaborando com a comunidade, seja para uma empresa para estar atuando em algum tipo de obra, ou até mesmo como estamos fazendo, colaborando com a parte do ensino, dando a oportunidade para pessoas em uma certa vulnerabilidade e que não podem pagar um curso pré-vestibular, de estarem forçando o estudo de seus colégios correspondentes. Para nós é algo fundamental, uma honra e um prazer imenso em poder passar um pouco de conhecimento para essas pessoas. É extremamente motivante ver esses meninos ali com essa força, essa vontade de estudar, e nós podermos colaborar e participar um pouquinho da vida deles. É sem igual.

Reportagem da aluna de Jornalismo Gabriella Gomes Marinho – publicada em 13 de junho de 2022.

Curso Pré-Vestibular Social da Praia Vermelha retorna às atividades após 2 anos.

O Curso Pré-Vestibular Social da Praia Vermelha está de volta e nossa equipe foi conversar com o Coordenador do projeto Professor Cláudio Carvalho para saber maiores informações.

1. Quando e como surgiu a ideia do Pré-Vestibular Social da Praia Vermelha?
Professor Cláudio Carvalho: Bom, o Pré-Vestibular existe desde 1999, tendo mais de 20 anos na UFF, na Escola de Engenharia. Inicialmente, foi criado e coordenado pelo Professor Plácido Barbosa, que hoje está aposentado. No ano de 2020, ele me procurou para poder substituí-lo, pois aposentado, ele não teria mais direito em assumir o curso. No ano de 2021, nós não abrimos o curso, devido a pandemia, e só estamos conseguindo retornar agora, no ano de 2022.

2. De que modo os estudantes podem estar participando do Pré-Vestibular?
Professor Cláudio Carvalho: Todo início de ano são abertas as inscrições, em torno de março ou abril. As inscrições são divulgadas através das redes sociais, e os estudantes concorrem a uma vaga. Essas vagas são preenchidas conforme a ordem de inscrição. Por exemplo, nesse ano de 2022, nós tivemos 150 vagas ofertadas, e em menos de uma semana, nós já tínhamos mais de 250 inscrições, ocasionando no encerramento das mesmas e finalizando com o cadastro reserva. A PROEX também divulga todas as informações relacionadas ao Pré-Vestibular, os endereços eletrônicos, etc. O curso é totalmente gratuito, pelo menos durante esse período (o que será avaliado em anos posteriores).

3. Na segunda-feira (30), o projeto teve a sua aula inaugural. Pode relatar como foi a experiência?
Professor Cláudio Carvalho: A experiência foi ótima! Tivemos mais de 140 pessoas em nosso auditório, no Prédio D da Escola de Engenharia. Tivemos a presença do Diretor José Rodrigues, nossa Chefe de Departamento Renata Faísca e eu também estava presente, bem como todos os professores que irão atuar no Pré-Vestibular Social. Alguns ex-alunos do curso que hoje estão inseridos na Universidade também marcaram presença, o que foi bastante bacana e emocionante, com a presença de todos.

4. De que forma, enquanto docente e coordenador do Pré-Vestibular Social, resumiria a importância de um projeto como esse ?
Professor Cláudio Carvalho: A importância é, principalmente, de acordo com nossos três pilares dentro da Universidade (ensino, pesquisa e extensão), estarmos colaborando com a comunidade, especificamente nessa área de extensão. É sobre a importância da universidade pública de estar colaborando com a comunidade, seja para uma empresa para estar atuando em algum tipo de obra, ou até mesmo como estamos fazendo, colaborando com a parte do ensino, dando a oportunidade para pessoas em uma certa vulnerabilidade e que não podem pagar um curso pré-vestibular, de estarem forçando o estudo de seus colégios correspondentes. Para nós é algo fundamental, uma honra e um prazer imenso em poder passar um pouco de conhecimento para essas pessoas. É extremamente motivante ver esses meninos ali com essa força, essa vontade de estudar, e nós podermos colaborar e participar um pouquinho da vida deles. É sem igual.

Reportagem da aluna de Jornalismo Gabriella Gomes Marinho – publicada em 13 de junho de 2022.

Inspira Design de volta ao presencial! 

O Curso de Desenho Industrial acabou de realizar um super evento voltado todinho pra galera que busca muita inspiração profissional! Nossa equipe bateu um papo com a organização do INSPIRA DESIGN. Fique por dentro do que rolou.

1. O que é o Inspira Design?
Organização do Evento: A Inspira Design é uma semana acadêmica da Universidade Federal Fluminense (UFF) que acontece anualmente, sendo feita por alunos e para alunos. O foco é visibilizar e aumentar as possibilidades do campo do design para os profissionais do futuro.
Como o próprio nome já diz, a INSPIRA pretende, ano a ano, inspirar as pessoas a se aventurarem em novas áreas, conhecer novas possibilidades e, talvez, encontrar a sua paixão dentro do Design e de suas vertentes.

2. A UFF enfrenta hoje todo um contexto pós-pandemia. Em vista disso, como foi planejar e realizar o primeiro evento presencial depois de 2 anos de isolamento?
Organização do Evento: Foi um grande desafio, principalmente com a oscilação dos casos da COVID-19 no começo deste ano (2022). Algumas vezes cogitamos em manter o evento completamente on-line, como a edição de 2021, para a manutenção da saúde dos nossos participantes e oficineiros. Porém, com a estabilização da taxa de contágio, a gradativa diminuição dos riscos pela infecção pelo vírus, além de muito esforço da organização e da ajuda da Professora e Chefe do Departamento de Desenho Técnico (TDT), Renata Vilanova, conseguimos lutar pelo nosso espaço físico e por fim, gerenciar a Semana de Design num formato hibrido, tendo destinando os dias on-line principalmente para as atividades mais teóricas e de convidados de fora do Rio de Janeiro, enquanto para os dias presenciais foi reservado as atividades mais “mão na massa”, com convidados da região.

3. Quais foram as principais dificuldades encontradas nesse contexto pós-pandêmico para a realização do evento?
Organização do Evento: Com toda certeza, foi realizar a passagem do online para o presencial, isto é, retomar ao antigo formato. Mesmo com algumas aulas sendo presenciais/híbridas, muitos alunos ainda estavam relutantes em sair de casa pelo conforto e praticidade que as atividades on-lines proporcionam. E convencer pessoas que nunca tinham pisado na UFF a participar de um evento estudantil, com toda certeza, foi o nosso maior desafio.

4. A VII Semana Acadêmica de Design contou com diversas atividades e palestras. Quais você pode citar como os “carros-chefes” do evento?
Organização do Evento: É bem difícil responder essa pergunta, pois além de amarmos e agradecemos todos os palestrantes que disponibilizaram tempo e conhecimento para trocar conosco, somos meio suspeitos para eleger nossos “carros-chefes” … Além disso, pode não ser muito sensível da nossa parte eleger convidados X ou Y, pois para nós, todos foram cruciais para o sucesso do evento.
Então sugerimos outra pergunta: A VII Semana Acadêmica de Design contou com diversas atividades e palestras. Quais tipos de atividades são as mais procuradas pelos participantes?
Em toda edição, temos aquelas atividades que não podem faltar de jeito nenhum, pois já fazem parte da nossa marca, em que as pessoas se amontoam (e as vezes até brigam) para participar, como o workshop de resina, por exemplo. No geral, as atividades que mais cativam o público são as que nós, do curso de Desenho Industrial (DI) da UFF, não temos na ementa do curso, como as mais “artísticas”, por exemplo, pinturas em várias técnicas, modelagens em resina, argila ou madeira, e etc.

5. De modo geral, de que maneira a Semana Acadêmica de Design pode impactar e agregar aos alunos participantes?
Organização do Evento: Falando principalmente como um aluno, a Inspira Design me impacta em muitas frentes! Ela me permite acreditar que em algum dia eu poderei ocupar o espaço dos palestrantes ali presentes, contando aos futuros designers que é possível se formar em uma universidade federal, pública, gratuita e de qualidade, sair do país fazendo o que ama, trabalhar na empresa dos sonhos, e quem sabe, até ganhar prêmios pelo nosso trabalho… A INSPIRA antes de qualquer coisa proporciona perspectiva aos alunos, sejam estes os calouros, mais frescos, que acabaram de chegar à universidade, ou mesmo os veteranos, cansados e sem muita perspectiva. A Inspira mostra, sobretudo, que é possível se encontrar e ser feliz fazendo o que ama.

Reportagem da aluna de Jornalismo Gabriella Gomes Marinho – publicada em 20 de maio de 2022.

Abril / 2022

Pet Agrícola realiza ação em comemoração ao

DIA NACIONAL DE CONSERVAÇÃO DO SOLO

Trouxemos para você tudo que rolou no bate papo com a integrante do Pet Agrícola, Bruna Assução, sobre a ação deste com a participação especial da Clin para comemorar, na Escola de Engenharia da UFF, o Dia Nacional da Conservação do Solo.

1) Como você descreve a importância da conservação do solo e a necessidade de uma data dedicada a este fim?

Bruna Assunção.: Grande parte das nossas atividades estão relacionadas ao solo, conservar este recurso natural vital, é reduzir os impactos que ele venha sofrer e preservar a sustentação da vida, assim como também engloba aspectos econômicos. Uma data voltada para este dia é de suma importância para conscientização social, segurança alimentar e sustentabilidade.

2) Vimos que rolou uma colaboração entre o PET Agrícola e a Companhia Municipal de Limpeza Urbana de Niterói. Como surgiu essa parceria?

Bruna Assunção.: A parceria do PET com a CLIN já é de longa data! A CLIN abre espaço para que os alunos de engenharia agrícola e ambiental possam desenvolver seus projetos de conclusão de curso, iniciação científica, entre outros. Com essa oportunidade, o PET soube aproveitar a ajudar oferecida e assim, em parceria com a CLIN, montamos diversos projetos voltados para a área agrícola e ambiental como por exemplo o reflorestamento do morro Boa Vista, a irrigação de estufas por microasperção, a otimização de composteiras em baias, entre outras.

3) Quais atividades foram desenvolvidas?

Bruna Assunção.: Divulgamos e representamos alguns dos projetos do PET, disponibilizamos formulários de interesse em ser voluntário, de qualquer curso, em um projeto e em participar além de divulgar as inscrições para o nosso processo seletivo! A CLIN também divulgou alguns projetos que possuem em sua unidade como a produção de humus de minhoca, resíduo de poda curtido que são produzidos a partir das podas das árvores de niterói, a produção de biofertilizante. Foram expostos principalmente os projetos que contribuem com a conservação do solo como o reflorestamento, o projeto de construção de paliçadas no morro da Boa Vista e o plantio em curvas de níveis. Além da exposição para que os estudantes pudessem conhecer um pouco mais do PET e da CLIN, fizemos a distribuição de algumas mudas de plantas ornamentais, frutíferas e bioativas para poder colorir ainda mais a nossa cidade.

4) De que maneira você, enquanto discente, acha que o evento impactou os estudantes nos dias 12 e 13 de abril ?

Bruna Assunção.: O evento proporcionou uma maior aproximação com os calouros, fazendo com que eles aprendessem mais sobre alguns aspectos do nosso curso. Proporcionou também para que pudéssemos divulgar o PET como instituição, já que o período de pandemia dificultou a divulgação dos projetos e, consequentemente, diminui o interesse dos alunos do curso em participar de trabalhos mais práticos. Além disso, outro impacto bem interessante foram algumas parcerias que conseguimos para alguns projetos do próprio PET, com professores de outros cursos e também com alunos interessados em participar de maneira voluntária.

 

Parabenizamos o Pet Agrícola pela iniciativa e agradecemos a Clin pela parceria de sempre.

Reportagem da aluna de Jornalismo Gabriella Gomes Marinho – publicada em 19 de abril de 2022.

Araribóia conquista 2º lugar no Desafio Solar 

A equipe ARARIBOIA voou nas águas de Niterói, arrebatou o segundo lugar e nós, da equipe de comunicação, fomos conversar com o Coordenador da equipe, o Professor Daniel Henrique Nogueira Dias.

1- O que é o Desafio Solar Brasil?
Daniel Henrique Nogueira Dias: O Dasafio Solar Brasil (DSB) é uma competição de barcos elétricos movidos a Energia Solar que reúne equipes de diversas instituições de ensino de todo o Brasil e de diferentes níveis. Seu principal objetivo é fomentar e difundir o uso de energias renováveis, como a solar fotovoltaica, e a sua aplicação em veículos elétricos. Além disso, o DSB visa promover o desenvolvimento de tecnologia, formar jovens, estudantes de ciências e tecnologias no uso de fontes alternativas energia, popularizar a cultura marítima e promover o intercâmbio entre estudantes e pesquisadores de ciências e tecnologias.

2- De que modo a Equipe Arariboia se destacou na competição?
Daniel Henrique Nogueira Dias: A última e mais recente etapa do DSB, que foi realizado em março deste ano, na cidade de Niterói, a equipe obteve o seu melhor resultado em competições nacionais, ficando em 2º lugar na classificação geral e subiu ao pódio pela segunda vez em sua história. Este evento foi especial e bastante desafiador pois foi a primeira competição pós pandemia, em que quase todos os membros já haviam deixado de participar das atividades, sendo realizado um grande esforço para recomposição dos integrantes. Além disso, por ter sido realizada em Niterói, cidade onde a UFF esta inserida, teve um “gostinho” ainda mais especial.

3- O que significa para a UFF como um todo, participar de uma competição como o DSB?
Daniel Henrique Nogueira Dias: A participação da Universidade, representada atualmente pela equipe Arariboia, é fundamental para sua projeção externa. O DSB é um projeto de abrangência nacional e a inserção da Universidade neste contexto faz com que todos os objetivos que são foco atualmente do projeto DSB, estejam também associados a UFF. Além disso, por se tratar de um projeto multidisciplinar, diversas áreas do saber, não só de engenharia, podem trabalhar em conjunto, promovendo a interação entre as diferentes faculdades do ensino superior.

4- Quais são as expectativas para as próximas competições?
Daniel Henrique Nogueira Dias: Pretende-se continuar o desenvolvimento e aprimoramento do projeto, aumentar o número de participantes de diferentes áreas, manter a participação no evento nacional do DSB e também projetar a participação em competições internacionais, que ocorrem nos mesmos moldes do DSB. Também faz-se necessário a expansão de espaço físico utilizado para desenvolvimento do projeto. Atualmente, a equipe divide uma sala de 30m² do prédio do bloco E da Escola de engenharia com uma outra equipe de competição. Como o barco possui 6m de comprimento e 2,5m de largura, a permanência do mesmo dentro de um espaço fechado se torna um problema. Dessa forma, uma das missões da equipe para este ano é buscar um espaço físico maior e com maiores condições de trabalho.

Reportagem da aluna de Jornalismo Gabriella Gomes Marinho

Engenharia de Petróleo é destaque em ranking internacional.

Nossa equipe entrou em contato com o Coordenador do Curso, Prof. Troner Assenheimer de Souza, para saber tudo sobre essa conquista:

O que você pode dizer sobre o trabalho feito até hoje que resultou o TOP 5 no Ranking Internacional das Universidades?

Prof. Troner Assenheimer de Souza: Desde que o curso foi criado, tanto coordenação quanto docentes têm trabalhado para melhorar o currículo do curso, oferecendo conhecimentos consistentes e atualizados de engenharia de petróleo para formar profissionais de excelência na área de petróleo e gás. Ao longo do tempo, também temos buscado desenvolver pesquisas e estabelecer parcerias com empresas com objetivo de trazer conhecimento da indústria para dentro da universidade. Faz parte do trabalho desenvolvido agregar valor à vida profissional dos graduandos.

Qual diferencial você pode apontar, dentro do curso de Engenharia de Petróleo, na gestão e/ou na organização em geral?

Prof. Troner Assenheimer de Souza: Podemos apontar como diferencial as atualizações periódicas da matriz curricular do curso e as pesquisas que são conduzidas pelos professores que refletem diretamente na qualidade dos TCCs elaborados.

Na sua visão como coordenador do curso, qual é a importância dessa indicação para a Escola de Engenharia, para a UFF e para os futuros engenheiros de petróleos que ingressarão na universidade?

Prof. Troner Assenheimer de Souza: Acredito que indicação é muito importante para Escola de Engenharia, para a UFF e para os futuros ingressantes do curso, saber que o curso de engenharia de petróleo da UFF possui excelente qualidade e aderência ao mercado de trabalho. Essa indicação mostra que estamos no caminho certo e que devemos continuar buscando a melhoria contínua do curso. Esperamos que essa indicação se repita nos próximos anos, pois vamos continuar trabalhando para isso.

Como você enxerga essa questão de escalar universidades e seus respectivos cursos em um ranking?

Prof. Troner Assenheimer de Souza: Entendo que esse tipo de ranking ajuda a divulgar o curso e a UFF tanto para os futuros alunos quanto para o mercado e mostra aos atuais alunos que estamos no caminho certo.

Parabenizamos a todos os envolvidos nesta conquista SUPER IMPORTANTE para o curso, para a Escola e para noss@s futur@s Engenheir@s de Petróleo!!!

Reportagem da aluna de Jornalismo Gabriella Gomes Marinho – publicada em 10 de abril de 2022.

Março / 2022

Em 28 de março de 2022, o Vice Reitor Fábio Passos, o Vice Diretor da Escola de Engenharia Bruno Pedroza e o Professor James Hall receberam das mãos do presidente do Conselho de Engenharia do Rio de Janeiro o IX Prêmio Crea-RJ de Trabalhos Científicos e Técnológicos 2020/2021.  

Segundo o Vice Reitor da UFF, Professor Fábio Passos, este prêmio para a Universidade Federal Fluminense é um importante reconhecimento da qualidade dos cursos de Engenharia de nossa universidade. É mais uma demonstração de que a despeito das dificuldades orçamentárias a que está submetida, a comunidade acadêmica da UFF, em particular da Escola de Engenharia, consegue formar os estudantes com excelência acadêmica, além de realizar importantes trabalhos na Pesquisa e na Extensão.

Parabenizamos a todos os envolvidos neste trabalho!

Dezembro / 2021

Karina Karim Gomes é uma das premiadas no WomenThatBuild – GlobantAwards. 2021

Seu engajamento é uma inspiração para todos nós!

Acesse o link e veja a lista completa

Quem é Karina Karim Gomes?

Estudante de engenharia mecânica na Universidade Federal Fluminense/RJ, pesquisadora em Ergonomia aplicada à Engenharia Mecânica pelo Programa Institucional de Bolsas de Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação (PIBITI CNPQ) e estagiária da Qualidade na Technip FMC.

SAIBA MAIS

Compõe a equipe de produção de equipamentos hospitalares no projeto Frente UFF de combate ao Covid-19, desenvolvo tecnologias sociais associadas à arte espacial no programa de residência SACI-E do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e co-criadora do OIA UFF – Oficina de Inovação e Ancestralidade, voltada para estimular a inserção, permanência e desenvolvimento de jovens mulheres negras nas áreas tecnológicas. Faz parte da atual gestão do Diretório Acadêmico Octávio Catanhede – DAOC UFF, buscando assegurar os direitos estudantis e contribuir para a melhoria contínua do ensino público de engenharia no Brasil.

Integrou, de janeiro a março de 2020, o grupo de pesquisadores do Departamento de Termomecânica e Engenharia Ambiental da BUT (Brno University of Technology, República Tcheca) – na área de conforto térmico para a indústria automotiva, atuou por 2 anos como colaboradora de engenharia da equipe AMattheis Motorsport da Stock Car e é ex-integrante dos projetos extracurriculares, PETMEC, Baja SAE, FSAE e NASA Rover Challenge.

Setembro / 2021

Conquista dos Alunos do Curso de Engenharia de Produção de Niterói.

Gustavo Saboia Jr., Isabela Alves e João Victor Muylaert foram premiados na Edição 2020 do “Prêmio de Excelência Acadêmica” e 2 na modalidade “Menção Honrosa”

A Escola de Engenharia Parabeniza aos alunos e a todos os envolvidos no processo de formações desses jovens.

Translate »
Skip to content